sexta-feira, 8 de junho de 2012

re-des-cobertas-no-cais

re
des
cobertas
no
cais
1º.
valongo
2º.
imperatiz
porto 
maravilha



Quando o Cais do Valongo foi soterrado para a construção do Cais da Imperatriz - que receberia Dona Teresa Cristina, em 1843 - Dão Pedro II não poderia imaginar que a história escondida do porto que mais recebeu escravos africanos no mundo voltaria à tona dois séculos depois, graças a mais um processo de revitalização urbanística. Dessa vez, no entanto, o alvo é a Olimpíada do Rio, que acontecerá em 2016, e pela primeira vez desde a construção do Cais da Imperatriz, o Valongo volta a ocupar lugar de destaque na nova paisagem da cidade.

Escavações no sítio arqueológico do cais do Valongo / Foto divulgação Museu Nacional - UFRJ
Achado fortuito?
Nada de acaso. O cais do Valongo estava sendo buscado quando foi reencontrado nas escavações para as obras de revitalização da Zona Portuária no Rio. Quem explica é a arqueóloga do Museu Nacional / UFRJ Tânia Andrade Lima, que coordena a equipe de pesquisadores da área.
“A imprensa vem noticiando meio equivocadamente que teria sido um achado fortuito. Não foi”. Por conta da legislação atual o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) exige que em qualquer interferência no subsolo haja a monitoração da área. “Entendemos que existia um sítio arqueológico, o cais da Imperatriz, porque há um pilar naquela área. Mas o nosso maior interesse não era o cais da Imperatriz, mas o do Valongo, que foi vítima de apagamento deliberado, como se fosse uma chaga vergonhosa do Rio de Janeiro”, falou a arqueóloga se lembrando de como um cais foi construído sobre o outro.
“Havia uma circunstância de amnésia social e a arqueologia é contra essa prática. Entramos com um pedido para resgatar o Valongo há uns sete, oito meses, e o Iphan aprovou”, contou a arqueóloga, que chama o cais de “patrimônio dos afro-descendentes” e pede para não usar a expressão “descoberta”. “Quando as frentes da Prefeitura chegaram, foram encontradas as pedras do cais da Imperatriz. E percebemos que tinha um aterramento. Uns 60 centímetros abaixo nós encontramos o cais do Valongo.”





Em 1816, durante a estada da família real portuguesa no Brasil, chegou ao Rio de Janeiro um grupo de artistas franceses com a missão de ensinar artes plásticas na cidade. O grupo ficou conhecido como Missão Artística Francesa.


Jean Baptiste Debret, figura fundamental da missão, foi um dos responsáveis por registrar parte relevante das mudanças sociais daquela época.  Retratou os membros da monarquia, o povo, os costumes e vários aspectos da cultura. 

Pintura de Debret

Pintura de Debret 


Hoje, com o que foi achado nas escavações, percebemos com maior clareza como estes artistas ajudaram a contar toda a história do povo que ali vivia.


‘DESEMBARQUE' (1835), PINTURA DO ARTISTA ALEMÃO J. M. RUGENDAS

Conta nossa história que...

Segundo as ordens do Marques do Lavradio, a partir de 1.774, toda a compra e venda de escravos deveria ser realizada na região do Valongo. Estava proibido o comércio de escravos no Centro da cidade.

“Eles queriam que a cidade tivesse um ar mais europeu e por isso queriam transferir os negros para um único local, longe da vista de quem chegasse à cidade” 

historiador Claudio de Paula Honorato.







MERCADO DE ESCRAVOS NA RUA DO VALONGO, DEBRET, AQUARELA SOBRE PAPEL, C. 1816-1828. REPRODUÇÃO DO LIVRO DEBRET E O BRASIL OBRA COMPLETA, ED. CAPIVARA, 2009


Os negros chegavam ao cais e os que estavam aptos à venda eram levados para as diversas casas situadas nas costas do morro do Livramento, da Conceição e da Gamboa. Nestas casas, os senhores moravam no andar superior e os escravos eram exibidos, para a compra, no andar térreo das propriedades.

Em 4 de setembro de 1843, desembarcou no Rio de Janeiro a princesa da casa reinante de Nápoles, Thereza Cristina de Bourbon, para se casar com Dom Pedro II.

Para a chegada da futura imperatriz, o imperador ordenou as obras de embelezamento e melhoramento do Cais do Valongo, que ganhou um pavilhão de luxo e passou a se chamar de Cais da Imperatriz

Para marcar a chegada de Thereza Cristina, a Câmara Municipal, encarregou a Academia de Belas Artes de erguer um monumento-chafariz em cantaria na então Praça Municipal, hoje conhecida como Praça Jornal do Comércio.



A família imperial - da esquerda para a direita: conde d'Eu, D. Pedro II, D. Teresa Cristina e a princesa Isabel.
Foto por Alberto Henschel.


“Os Invisíveis”

Conheça um pouco da cultura dos escravos através de seus objetos




http://globotv.globo.com/infoglobo/o-globo/v/conheca-um-pouco-da-cultura-dos-escravos-atraves-de-seus-objetos/1960589/

 



"Na literatura arqueológica, esses objetos pessoais são chamados de 'os invisíveis', pois contam as histórias das pessoas, falam de suas angústias e temores, de seus medos e sofrimentos. Os amuletos, por exemplo, eram os últimos recursos desesperados para a proteção do corpo sofrido e da vida de cada um dos escravos que passaram por lá", relata a arqueóloga Tânia Andrade Lima.

“Novo é não usado”...

Nesta área da Cidade foi encontrado um cemitério de pretos novos, que eram os negros que acabavam de chegar à cidade. É o único deste tipo nas Américas. Foram enterrados seis mil africanos recém-chegados neste cemitério entre 1806 e 1830.

 “A nomenclatura ‘novo’ se refere ao uso, como os negros eram tratados com objeto, novo era o escravo que não tinha sido usado, que ainda não tinha sido vendido”, explica o historiador Julio César Medeiros.





É para pensar.
Maria Célia





22 comentários:

  1. Olá amiga,
    Desde muito nova tenho interesse por esse tipo de assunto (arqueologia). Pensei até em fazer museologia.
    Quem sabe não podemos fazer um passeio para vermos os achados?
    Um ótimo final de semana para você.
    Beijocas.

    ResponderExcluir
  2. Sorteio queridas, se inscrevam:
    http://grandeigualdavi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Bem interessante esse tema.....nossas origens , o que traz o nosso baú de sentimentos.....grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Tudo que pudermos saber de nossa história, e exatamente como foi, é ótimo, mas nada envergonha tanto como a escravidão dos negros, arrancados de seu país como se fossem bichos. Aliás, é um preconceito que até hoje perdura sob uma capa disfarçada, e que muitos querem esconder.
    Bela postagem e ótimas pinturas de Debret.

    bjs pra você.

    ResponderExcluir
  5. Convido-te a conhecer um Homem de papel
    Convido-te a olhá-lo num espelho de água

    Boa semana

    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  6. Feliz Dia dos namorados querida, que Deus esteja sempre presente em todas as areas de sua vida, um grande abraço.
    http://grandeigualdavi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Recebi um convite para participar de uma brincadeira entre blogueiras, e agora convido você a entrar nessa.
    Visite o walkyria-voarlonge.blogspot.com.br e participe.
    Adoraria saber suas respostas, mas se não estiver a fim, tudo bem.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  8. Vim bater meu ponto, lançar sementinhas de saudade e regar com amizade para esperar vc aparecer :)

    ResponderExcluir
  9. Oii, seu blog é lindo, estou amando e também te seguindo !!! Quando puder da uma olhadinha no meu: http://cadeadani.blogspot.com.br/

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Saudade e desejo de um doce e afetuoso final de semana :)

    ResponderExcluir
  11. Te revisitando para reforçar que sinto sua falta :)

    “Certa palavra dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.
    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.
    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra”
    Carlos Drummond

    ResponderExcluir
  12. "Ninguém nos deve nada. Cada um é responsável por aquilo que pratica na vida, não pela reação do outro. Se achamos que alguém nos fez algum mal, precisamos abrir nossos olhos para tentar enxergar onde está o mal dentro de nós.
    Sempre há um ponto de atração, algo que magnetiza ações semelhantes. Quando esse ponto está em equilíbrio com forças do bem, o que atraímos são coisas boas. Quando não está, a dor nos encontra.
    Mas isso é tudo nosso. Atração ou repulsa são forças que nos pertencem.
    Os pontos de atração, que estão dentro de nós, são gerados pela nossa palavra, nosso pensamento, nossa ação. Se cuidarmos do que falamos, pensamos e fazemos, com certeza, teremos muito mais coisas boas ao nosso redor."
    Mônica Castro
    VIM DEIXAR E LEVAR O BEM :)

    ResponderExcluir
  13. Vim desejar uma boa semana :)
    “Que sejamos doce, ao ponto que o tempo nunca amargue.
    Que a felicidade esteja em nós de um jeito que a tristeza nunca estrague”

    ResponderExcluir
  14. Temos muita história enterrada e esquecida, aqui também não é diferente o progresso passa por cima da história e nada protege nada, somente o interessem monetário.
    Tenha uma ótima semana, adorei conhecer seu blog cheio de história já t]ão esquecidas.

    ResponderExcluir
  15. Amiga linda!

    Sem história somos vazios.
    Como sempre, um post perfeito!

    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  16. VIM DESEJAR BOM FDS E REGISTRAR QUE SEMPRE LEMBRO DE VC :)

    ResponderExcluir
  17. vim te ver e pedir post novo, um bem rapidinho, so uma imagem, uma frase...
    beijos e meu carinho

    ResponderExcluir
  18. Passando para semear e desejar que germinem bons sentimentos, desejos, pensamentos e ações para os últimos dias que restam de 2012 e em todo 2013.

    ResponderExcluir
  19. Que lindo o seu blog! Vou voltar aqui, com certeza. A postagem está ótima, repleta de informações. Que bom que a amiga Tina me fez pousar aqui, a tempo de desejar um feliz 2013.

    Um abraço carinhoso!

    ResponderExcluir
  20. Passando para dar um oi e desejar uma abençoada sexta-feira e um bom final de semana :)

    ResponderExcluir